BAND




-JOIN OUR JOB.HELP-COLABORE COM O NOSSO TRABALHO.AJUDE-WE ACHIEVE THE BRAND OF 5000 EDITIONS-Osiągamy Marka 5000 EDYCJE-ATINGIMOS A MARCA DE 5000 EDIÇÕES-Logramos MARCA 5000 EDICIONES-=Raggiungiamo MARCA 5000 EDIZIONI-Nous atteignons BRAND 5000 EDITIONS-Мы достигаем бренд 5000 ИЗДАНИЯ-VISIT. THE NEWSPAPERS OF THE WORLD HERE TITLE WITH YOUR SUPPORT-Tosc. Giornali del mondo QUI RACCONTO con il vostro sostegno-Visiti. Les journaux du monde ICI de TALE AVEC VOTRE SOUTIEN-Visiti. Газет мира ЗДЕСЬ СКАЗКА С вашей поддержкой-USE TWITTER-@webjump21-@GLOBENEWSWEB-@DAILYTIMES21-@NEWSBOOK21-@BRASILNEWS21- CALENDAR 2016-CALENDARIO 2016-GLOBE NEWS-GLOBE NEWS-GLOBE NEWS USE TWITTER @GLOBENEWSWEB UŻYWAJ na twojej komórce-تستخدم على الجوال-Die Verwendung auf Ihrem MOBILE-あなたの携帯電話で利用-USE ON YOUR MOBILE-使用您MOBILE-USAR en tu móvil-UTILISER sur votre mobile-Использовать на вашем MOBILE-USE IN-FACEBOOK-News Paper Globe News.NEWSWEEK NEWS-BULGARIAN NEWS-COLOMBIA REPORTS-HAWAII NEWS NOW-THE LOCAL GERMANY-GAZETA POLSKA- KYIVPOST- NEWS JAPAN TODAY NEWS-CBS NEWS- G1 GLOBO-BRASIL NEWS-THE WALL STREET JOURNAL-LE MONDE-FRANCE -TORONTO SUN-THE HINDU-ARAB NEWS-ALJAZEERA-GULFNEWS-VIETNAM NEWS- JAKARTA POST-MOSCOW NEWS-CORRIERE DELLA SERA -NORWAY NEWS-TURKEY NEWS-UKRAINE NEWS-JAKARTA POST-JAPAN TIMES-AL ARABIYA NEWS-DAILY RECORD-KUALA LUMPUR POST-MALAYSIA-MADAGASCAR TRIBUNE-MOROCCO WORLD NEWS ABS -CBN-NEWS-PHILLIPINES NEWS-THE IRISH TIMES-IRELAND NEWS-THE NEWS YORK TIMES-CAMBODIA POST-ALASKA NEWS-SOUTH AFRICA-WELLINGTON NEWS TIMES-ADELAIDE NEWS-THE ADVERTISER-WELLIGTON NEWS-BEIJING NEWS CHINA-MASHABLE-BANGKOK POST-TAILAND NEWS->

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

FOLHA CENTRO SUL-ROUBO NAS OLIMPIADAS-CADE A CPI-ANTECIPADA

Roubo descarado nas olimpíadas. Um item que custa R$ 92 reais foi comprado por R$ 187 mil

Atualizado em 04/08/2016 às 11:06
Dinheirama despejada para TV´s e sites tentam abafar notícias sobre as roubalheiras nas olimpíadas, cuja gastança já passa de R$ 38 bilhões de reais, com 80% ou mais, de dinheiro público envolvido.
Idiotas aplaudem, alienados se alegram e a máfia que está atrás do COI leva bilhões nas costas do povo brasileiros e dos retardados que apoiam essa nojeira, essa roubalheira infernal.
Quanto essa trupre recebeu para abafar tal descalabro?
REVEJA A POST ABAIXO>>>
Roubo descarado nas olimpíadas. Um item que custa R$ 92 reais foi comprado por R$ 187 mil
E as olimpíadas superfaturadas do Rio 2016, estão sendo desmascaradas.
Como a Copa, tudo não passou de uma desculpa para roubarem muito.
Reveja, abaixo, o vídeo que mostra o tamanho da roubalheira.
Estima-se que já foram gastos, por baixo, R$ 38 bilhões nessa porcaria.
FRAUDES DESCARADAS E DESCULPAS ESFARRAPADAS DE PICCIANI.
Uol, assim reporta:
Um relatório da CGU (Controladoria Geral da União) que o UOL Esporte teve acesso apontou um superfaturamento de R$ 9,5 milhões em um contrato do Ministério do Esporte com a FGV (Fundação Getúlio Vargas) para apoio à Olimpíada do Rio-2016. Um dos objetivos da contratação da fundação, sem licitação, era obter economia nos gastos com obras dos Jogos. A FGV nega ter feito cobranças a mais do que previsto no acordo, e o Ministério do Esporte diz que vai apurar possíveis irregularidades e tomar providências.

Sem a realização de licitação, o Ministério do Esporte fechou com a FGV em 2015 no total de R$ 54,460 milhões. Esse valor é usado para pagar consultores que apoiassem a pasta e ao mesmo tempo fossem feitos levantamentos de preços para itens de instalações olímpicas, em Deodoro, no Parque Olímpico e outras sedes dos Jogos.

Funciona assim: o Ministério do Esporte pede para a FGV para cotar valores para determinado item. A fundação vai ao mercado e responde com propostas feitas por algumas empresas. A partir daí, a pasta poderia, teoricamente, fazer economia nas compras a serem realizadas.

A CGU encontrou problemas justamente nesta cotação de preços para itens olímpicos. Isso porque foi criado um critério para cobrança pelo levantamento de gastos para cada equipamento de acordo com sua complexidade. Eram três categorias. E aí é que surgiram questões.
Item de R$ 92,4 custou R$ 187 mil para os cofres públicos
Um equipamento chamado de Águas Pluviais no Complexo de Deodoro gerou uma cobrança da FGV de R$ 187 mil para cotar os preços. Mas apenas um item foi cotado pela fundação e o custo da compra dele foi R$ 92,4. Ou seja, a avaliação dos preços gerou gasto 2 mil vezes maior do que o valor do produto.
RELEMBRE: Procurador da Lava Jato diz que 'tem muito mais' sobre mutretas das olimpíadas e outras posts

“Os serviços a serem executados a cada período de 30 dias, dentre eles a estimativa de preços de projetos envolvendo itens especiais de instalações esportivas e não esportivas, são definidos pelo ministério em Ordem de Serviço. Até a elaboração do Produto 15 somente ocorreu o recebimento de um único item a ser precificado para a instalação denominada “águas pluviais”, o que não significa que novos itens especiais dessa instalação não serão recebidos”, diz a FGV.

Esse não é o único caso com discrepância desse nível. O Ministério do Esporte também teve de pagar R$ 187 mil para cotação de preços do equipamento “Canteiro de obras, em Deodoro”. O único item cotado foi um no-break que custou R$ 19,5 mil. Em outro caso, no Centro Nacional de Hipismo, a cotação custou R$ 187 mil e os dois produtos adquiridos saíram por apenas R$ 2 mil.

Houve outro equipamento chamado “Maria Lenk – POB”, não especificado no relatório, cuja cotação de preços custou R$ 93 mil, mas o único serviço feito foi cancelado. No caso do laboratório de dopagem, foram cobrados R$ 281 mil pelo levantamento do preço de apenas um item.

“Com relação à estimativa de preços de projeto envolvendo itens especiais, o Ministério categorizou as instalações em três níveis de complexidade (baixa, média e alta), como também estimou a quantidade de instalações a serem precificadas para cada nível de complexidade. Com base nesses níveis e nesses quantitativos, a FGV estimou um valor para a precificação das instalações de acordo com seu nível de complexidade. Para as instalações de complexidade média foi orçado o valor de R$ 187 mil”, afirmou a FGV.

Ao final, a CGU constatou que, pelo contrato, deveria ser cobrado por item R$ 409,32, em média, por cada cotação. Mas, na prática, o valor pago foi de R$ 7.066,00 por item. Considerados todos os valores, a controladoria constatou que o Ministério do Esporte pagará R$ 9,5 milhões a mais do que deveria à FGV.

“Em relação ao serviço da Fase 1 (Estimativa de Preços de Itens Especiais de Instalações) constatou-se incoerências no dimensionamento dos valores a serem pagos, em relação ao serviço prestado pela Contratada, que geraram pagamentos incompatíveis com o serviço realizado e dano ao Erário no valor estimado de R$ 9.480.812,58”, diz o relatório da CGU.

A FGV se defende e alega que presta contas mensalmente de seus serviços para o Ministério do Esporte. E prometeu esclarecer o caso com a controladoria. “A FGV desconhece o conteúdo do relatório da CGU, mas assim que tomar conhecimento do mesmo não se furtará em prestar os esclarecimentos que se façam necessários, como de costume”, afirmou a fundação.

Esse não é o único questionamento da CGU. A entidade diz que alguns serviços incluídos neste contrato com a FGV já faziam parte de outro acordo de consultoria com a fundação. Ou seja, haveria cobrança em duplicidade. E afirmou que a contratação não poderia ser feita sem licitação porque não havia justificativa para isso.

A recomendação da controladoria é que sejam apurados “os fatos, responsabilidades e desdobramentos relacionados ao dimensionamento dos serviços contratados com valores incompatíveis com a complexidade do serviço”. Além disso, exige a investigação da sobreposição de serviços prestados.
Ministério se justifica
O Ministério do Esporte, que tem como Leonardo Picciani como titular desde maio, eximiu-se de explicar os atos da gestão anterior, e prometeu investigação sobre o caso:

“O ministro do Esporte, Leonardo Picciani, assumiu a pasta em 12 de maio e determinou a criação de uma força-tarefa com o objetivo de reavaliar contratos administrativos e convênios celebrados pelo ministério em exercícios anteriores. O Ministério do Esporte está empenhado em zelar pela correta aplicação dos recursos públicos, com o apoio dos órgãos de controle internos e externos. Se comprovadas irregularidades, serão tomadas as medidas cabíveis para o ressarcimento do Erário.”
ROUBALHEIRA MACABRA





COMENTE ESTE E OUTROS POSTS NA FAN PAGE OFICIAL NO FACEBOOK:www.facebook.com/fanpageoficialfolhacentrosul

Nenhum comentário:

Postar um comentário